Sobre a EN2

A Estrada Nacional 2 (N2) foi inscrita no Plano Rodoviário Nacional a 11 de Maio de 1945. Esta inscrição transformou-a na coluna dorsal do interior do País, ligando-o de Norte a Sul, de Chaves a Faro, numa extensão de 739,260 km. É uma das únicas três estradas no mundo e a única na europa com a sua tipologia, sendo que a “Route 66” está localizada nos Estados Unidos da América e a “Ruta 40” na Argentina. Esta via permite descobrir, conhecer e sentir várias regiões do País – 11 distritos e 35 concelhos. 
 
 mapa 
 
Detentora de características únicas, a Estrada Nacional 2 (N2), é um destino de eleição repleto de boas paisagens, boa gastronomia e experiências sensoriais. O retrato mais fidedigno da identidade de Portugal. Em 5 de Novembro de 2016, a Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2 (AMREN2), foi constituída com o objetivo de promover os territórios atravessados pela mítica estrada.


Percorra a Estrada Nacional 2 (N2) e descubra a alma de um povo. 


Sobre Abrantes

Bem-vindos à cidade mais central de Portugal!

 

Abrantes oferece muito mais do que uma visita pelo património, pelo seu Castelo de belas vistas, no topo da colina, ou o centro histórico, ladeados pela admirável vista para o Tejo. Valoriza-se o contacto com a natureza numa longa extensão de território onde é possível explorar os Caminhos do Tejo ou a Grande Rota do Zêzere, percorrer ruas salpicadas de intervenções artísticas, recuperar tradições e memórias gastronómicas, homenagear os vinhos da região, que encerram todo o potencial de Abrantes numa garrafa de branco, tinto ou rosé, e viver experiências únicas.

Aqui está um convite para fugir da rotina, limpar o olhar, desfrutar do património natural, arquitetónico, paisagístico e cultural e redescobrir Abrantes, todos os dias do ano.

 
 Se chegar pelo Norte, recomendamos um pulo ao Cais de Acostagem de Rio de Moinhos, um percurso pedonal no centro histórico e visitar o património arquitetónico, ou uma galeria de arte ao ar livre, resultante dos Simpósios de Arte em Ferro e do 180 Creative Camp Abrantes.

 

Destaca-se um importante acervo arquitetónico abraçando influências artísticas diversas, desde gótico, renascimento, barroco e modernidade. Simboliza o rosto dos diversos séculos de história da cidade, sendo um espaço de elevado interesse cultural, comercial e artístico.

A embelezar os seus largos, praças e espaços pedonais existem, recantos floridos e conjuntos escultóricos em bronze, da autoria de Óscar Guimarães e de Laranjeira Santos. Numa das margens do Tejo, o escultor Charters de Almeida tem uma marca do seu trabalho, através da escultura de grande vulto, a Cidade Imaginária.

Pode ainda simplesmente usufruir dos espaços verdes como o Jardim do Castelo, ou o Parque Urbano de S. Lourenço, não esquecendo as paisagens únicas que é possível admirar em alguns miradouros, culminando num passeio junto ao rio Tejo, no Aquapólis, parque urbano ribeirinho.

 
Se vier pelo Sul descobre paisagens naturais, percorrendo caminhos de terra batida que pode fazer a pé ou de bicicleta. De automóvel, pela EN 2, encontra também uma paisagem agrícola ou florestal.

Há paragens obrigatórias:


Na Vila do Tramagal, para visitar o recém-inaugurado Museu Metalúrgica Duarte Ferreira;


O Parque Tejo – Turismo, Ciência e Lazer -, localizado na margem sul do rio, que oferece condições de estada sob a forma de campismo ou caravanismo.

Se preferir seguir para Alvega, entra num percurso paralelo ao rio que pode fazer a pé, de bicicleta ou mesmo pelo rio Tejo em canoa no sentido Alvega (estação de canoagem) /Aquapolis (Rossio ao Sul do Tejo). A opção pela estrada nacional leva a visitar aldeias típicas como é o exemplo do Pego. Atravessa uma diversidade de paisagens, habitats e ambientes. Pelo itinerário encontra-se uma biodiversidade rica e o canal de Alfanzira (Mouriscas).

 
Abrantes à mesa


Para recuperar da variada oferta, nada como sentar-se à mesa e saborear a rica cozinha servida pelos nossos anfitriões. Sopa de couve com feijão regada com a qualidade superior dos azeites da terra; cabrito guisado ou assado no forno; entrecosto com migas; arroz de lampreia; açorda de sável; achigã grelhado; fritada de peixe do rio; ensopado de enguias ou enguias fritas; bacalhau assado com migas; javali estufado; açorda de ovas; enguias fritas; bucho (petisco).


Para adoçar a boca é obrigatório provar a doçaria de origem conventual. Salientam-se a Palha de Abrantes, as Tigeladas, as Broas de Mel ou dos Santos, a Lampreia de ovos, as Limas, as Castanhas doces e os Mulatos.

 

Para descansar, Abrantes oferece uma variada rede de alojamentos. Em matéria de turismo de habitação, turismo em espaço rural e alojamento local, existe uma alargada oferta de qualidade atestada. Os parques de pernoita para autocaravanas e os parques de estacionamento e áreas de serviço para autocaravanas, também são uma alternativa.

Para quem quer descobrir toda a oferta da região, está disponível a APP Descubra Abrantes uma aplicação móvel para download na Play Store.


Aqui chegados, recomendamos uma paragem no Welcome Center.


Aceite o nosso convite e Descubra Abrantes!


 

 

Neste sítio são utilizados cookies de forma a melhorar o desenpenho e a experiência do utilizador. Ao navegar no nosso sítio estará a concordar com a sua utilização. Para saber mais sobre cookies, consulte a nossa politica de privacidade.