• Recuperação dos frescos no museu Dom Lopo de Almeida

    Museu Dom Lopo de Almeida
    Recuperação dos Frescos

  • Exposição no Museo Ibérico

    Museu Ibérico de Arqueologia e Arte
    Exposição da Antevisão

  • Núcleo Museológico Duarte Ferreira

    Núcleo Museológico Duarte Ferreira
    Visão geral

  • Exposição no Museo Ibérico

    Museu Ibérico de Arqueologia e Arte
    Exposição da Antevisão

  • Núcleo Museológico Duarte Ferreira

    Núcleo Museológico Duarte Ferreira
    Visão geral

  • Exposição no Museo Ibérico

    Museu Ibérico de Arqueologia e Arte
    Exposição da Antevisão

  • Recuperação dos frescos no museu Dom Lopo de Almeida

    Museu Dom Lopo de Almeida
    Recuperação dos Frescos

  • Núcleo Museológico Duarte Ferreira

    Núcleo Museológico Duarte Ferreira
    Pormenor

banner 2

Museu Municipal D. Lopo de Almeida

Instalado desde 1 de Junho de 1921 no corpo da Igreja de St.ª Maria, no  Castelo de Abrantes, na altura ainda Quartel de Artilharia Nº 8, foi o sexto museu a ser criado no país e tinha a abrangente responsabilidade da categoria de Museu Regional. Passou a ser Museu Municipal, em 1994.

No início da sua fundação, possuía, além do atual acervo de arte sacra, arqueologia, arte e etnografia, os mais importantes e antigos documentos sobre Abrantes, que viriam a dar origem ao atual Arquivo Histórico Municipal.

Foi alvo de remodelações em 2004, tendo patente ao público desde a sua reabertura, uma pequena exposição de arte sacra, onde se podem observar peças esculpidas em mármore ou calcário brando, entalhadas em madeira ou moldadas em terracota, que vão desde a época romana até ao século XVIII.

Para além do importante acervo apresentado ao público, o Museu beneficia do facto de estar instalado na Igreja de Stª Maria do Castelo, Panteão da Família Almeida, com toda a riqueza arquitetónica reconhecida ao monumento. 

Possui reservas e áreas de trabalho visitáveis por marcação.

 
O Museu apresenta anualmente duas exposições temporárias, uma apresentada ao público em Junho e outra em Dezembro. Desde 2009, a exposição inaugurada em Junho, sempre perto das comemorações do dia da cidade – 14 de Junho – pretende ser uma antevisão do que será o futuro MIAA (Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes), pelo que traz a público, o espólio das coleções do Museu D. Lopo de Almeida mas também dos outros acervos que constituirão o MIAA, como é o caso da Coleção Estrada e da coleção doada pela Pintora Maria Lucília Moita.


Horário de funcionamento
De terça a domingo das 09h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00. 
Encerra às segundas e nos feriados de dia 1 de Janeiro, 1º de Maio, dia de Natal. 
Morada: Castelo de Abrantes


Contactos
Museu D. Lopo de Almeida 
Câmara Municipal de Abrantes
Praça Raimundo Soares
2200 – 366 Abrantes 
T. 241 371 724
E.  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.  
W. http://miaa.cm-abrantes.pt/


Museu Ibérico de Arqueologia e Arte

Este Museu, ainda em fase de projeto, ocupará o belíssimo espaço do Convento de S.Domingos, parcialmente recuperado para a instalação da Biblioteca Municipal António Botto. Considerado um projeto estruturante para Abrantes, irá albergar a coleção de arqueologia e arte municipal, guardada e valorizada atualmente no Museu Lopo de Almeida. A esta coleção Irá ajuntar-se, o espólio de pintura contemporânea da pintora Maria Lucília Moita e parte da Coleção Arqueológica Estrada, de propriedade da Fundação Ernesto Lourenço Estrada, Filhos.
 
Apesar de não ter ainda um espaço físico, o Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes – MIAA,  conta já com 6 Antevisões com respetivos catálogos e 5 Jornadas Internacionais de estudo com respetivas atas. No site dedicado ao M.I.A.A. podem encontrar-se, entre outros motivos de interesse, os pdf das publicações e o calendário dos eventos e das participações da equipa do M.I.A.A. em congressos científicos em Portugal e no estrangeiro.
http://miaa.cm-abrantes.pt/

Núcleo Museológico Duarte Ferreira

Este Núcleo Museológico que integrará a futura Rede Museológica de Abrantes, pretende salvaguardar o espólio e a memória da Metalúrgica Duarte Ferreira enquanto património material e imaterial do concelho de Abrantes e exemplo de um percurso da indústria metalúrgica portuguesa.

O projeto será desenvolvido através de uma parceria entre a Câmara Municipal de Abrantes, a Junta de Freguesia do Tramagal e Diorama, empresa atualmente proprietária de parte do acervo e do espaço em recuperação para a instalação das valências físicas deste museu de arqueologia industrial.

 
De vocação tendencialmente pedagógica, pretende manter uma relação muito próxima com as populações que validam a sua existência e asseguram a legitimidade do seu percurso futuro.

Os trabalhos de recuperação dos edifícios que irão receber as coleções, foi iniciada, tal como os trabalhos de estudo, conservação e inventariação do espólio.

Destes trabalhos resultaram ainda duas exposições temporárias e algumas publicações.

Documentos
Passos do Concelho N.º95


Núcleo Museológico da Bemposta

Inaugurado em 2001, este núcleo encontra-se em exposição na sede do Grupo Folclórico e Etnográfico de Bemposta.Pretende retratar os finais do séc. XIX e inícios do século XX. O acervo deste núcleo é composto por indumentária, estando representados trajes domingueiros (festa) e de ceifeiros, sendo que depois dentro destes, existem os representativos de famílias mais abastadas e famílias mais pobres. A nível de utensílios, salientam-se as alfaias agrícolas, utensílios de cozinha, balanças, medidas de madeira, bilhas de azeite…
O próprio espaço em que se insere, pretende denotar alguma tipicidade, sendo que está numa das casas mais antigas da terra, onde todas as divisões são pequenas, com poucas janelas. Contudo, todas as divisões se encontram equipadas a rigor, como se estivesse habitada e se entrasse na casa onde alguém vive.
 
Além disso, nela está também representada a escola, pretendendo denotar a importância do ensino, bem como brinquedos de outros tempos.
Acesso gratuito, porém requer reserva prévia, através dos contatos do Grupo Folclórico e Etnográfico de Bemposta.
Em termos futuros, está previsto um novo espaço para a criação de um museu, onde estará presente este espólio.


Contactos
Grupo Folclórico e Etnográfico de Bemposta
Rua Professor Silva Leitão, nº26
2205 – 180 Bemposta ABT
E.: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
T. 968 064 014/ 969 696 604


Núcleo Museológico de Mouriscas

A Junta de freguesia de Mouriscas iniciou o processo de criação deste núcleo  em 1987. O espólio etnográfico é proveniente, sobretudo de cedências e empréstimos de particulares e é constituído por vestuário, instrumentos das atividades da freguesia e metrologia. Das atividades locais, destaque para a produção cerâmica, a produção de capachos e tapetes do cairo, de fogo de artificio ou tecelagem manual. Atualmente, o público não tem acesso ao Núcleo.

Núcleo Museológico do Rossio ao Sul do Tejo

Este núcleo, situado na sacristia da Igreja de N.ª Sr.ª da Conceição, em Rossio ao Sul do Tejo, foi inaugurado em Dezembro de 2002, nascendo da “sensibilidade e do prazer da descoberta dos 173 anos da Paróquia do Rossio”.
A visita à Igreja pode ser feita todos os dias. No entanto, para visita mais personalizada e acesso ao Núcleo Museológico, deve ser contactado o Centro Paroquial.
 
Contactos

Centro Paroquial do Rossio
Largo da Igreja
2205-013 Rossio

T. 241 333 493


Museu da Forja

Museu ao ar livre que mostra os utensílios utilizados na forja da Metalúrgica Duarte Ferreira, fazendo a reconstituição da oficina de Eduardo Duarte Ferreira. Importante marco que relata a história da MDF e, de certa forma, o desenvolvimento agrícola e industrial de Abrantes e do país. O Museu da Forja está localizado na Vila do Tramagal, junto ao Jardim de Infância S. João de Deus. Foi inaugurado a 1 de Maio de 1980.
 
Através das vidraças que protegem o espólio e o mostram, podemos ver utensílios usados pelo fundador da Metalúrgica. Mostra-se a reconstituição da sua oficina de trabalho, contendo exemplos de instrumentos de arte, em ferro forjado. O museu funciona também como uma justa homenagem aqueles que contribuíram para o nascimento da Metalúrgica Duarte Ferreira.

Neste sítio são utilizados cookies de forma a melhorar o desenpenho e a experiência do utilizador. Ao navegar no nosso sítio estará a concordar com a sua utilização. Para saber mais sobre cookies, consulte a nossa politica de privacidade.